Gestão de estresse na empresa: saiba como realizá-la e acalmar os ânimos

0

Para Mailon de Lara Vaz, empresário e CEO do Grupo 1One, gerir uma empresa corretamente é essencial para que a mesma tenha sucesso. No entanto, a palavra gestão pode ser muito vaga quando não se conhece ferramentas para isso ou técnicas a serem aplicadas de acordo com cada demanda, isto é, com cada situação.

Casos de estresse no trabalho é um exemplo de demanda. Muita gente não sabe — em especial gestores —, que gerir estresse é uma habilidade extremamente necessária e também possível de se fazer. Afinal, de acordo com Mailon de Lara Vaz — que participa ativamente da gestão de centenas de pessoas —, há períodos ou situações em que o estresse é realmente inevitável aos colaboradores de uma empresa.

Mas, afinal, o que gera estresse no trabalho?

Antes de tudo, entender os motores impulsionadores do estresse no trabalho é fundamental. Até porque, só a partir deles é possível traçar uma boa gestão e, assim, amenizar os ânimos de seus colaboradores. Visto isso, o renomado gestor de empresas Mailon de Lara Vaz comenta que é necessário se ater a eles de maneira mais superficial ou integral, a depender da situação. 

Em outras palavras, há motores impulsionadores piores que outros. Isso quer dizer que problemas como excesso de trabalho, mudanças frequentes, falta de apoio, competitividade exagerada, alta cobrança — muitas vezes desnecessárias —, falta de equilíbrio entre vida pessoal e profissional, etc são apenas exemplos dos ditos “macro”. Esses, por sua vez, exigirão mais atenção do gestor e medidas mais incisivas, a fim de manter o clima organizacional adequado.

Por outro lado, problemas como fofocas, orientações confusas, falta de feedback ou falta de reconhecimento são motores impulsionadores do estresse mais simples, ou seja, que não exigem uma gestão muito específica ou estratégica, afinal, não são tão graves ou grandes. Geralmente, o empresário Mailon de Lara Vaz comenta que problemas assim são resolvidos com diálogos e pequenas adequações. 

E o que fazer para gerir o estresse?

Desse modo, sem mais delongas, Mailon de Lara Vaz explica que, seguindo conselhos e dicas específicas, será possível gerir adequadamente o estresse, aplicando técnicas específicas a depender de cada situação. Visto isto, a primeira aplicação que você pode fazer na sua empresa é designar tarefas, que servirá para solucionar alguns problemas mencionados acima.

Além disso, estabelecer metas alcançáveis para os seus colaboradores também é essencial, já que metas altas apenas farão com que os mesmos se sintam cansados e desmotivados. Ademais, impor e respeitar limites contribuirá para que o clima organizacional seja mantido e nada saia do planejado, evitando mais estresse ainda.
Por fim, mas não menos importante, ser claro — citando aquilo que não vai bem e afins —, além de definir prioridades e ajudar seus colaboradores a equilibrar sua vida pessoal e profissional também é indispensável para que não somente o estresse seja gerido, como também o clima organizacional mantido.

Câmeras no uniforme passam a ser utilizadas por policiais militares do Rio de Janeiro a partir desta segunda

0

Policiais militares do Estado do Rio de Janeiro começaram nesta segunda, 30, a utilizar câmeras de gravação nos uniformes. A princípio, o equipamento será utilizado em nove unidades, nos seguintes bairros da capital: Botafogo, Méier, São Cristóvão, Tijuca, Olaria, Ilha do Governador, Copacabana, Leblon e Laranjeiras. As câmeras deveriam ter sido instaladas a partir do dia 16 de maio, mas a empresa fornecedora alegou atrasos e não entregou na data prevista; o Estado notificou a companhia. “O equipamento não vem para vigiar ninguém, não vem para punir ninguém. É um equipamento de proteção, de garantia da legalidade, para comprovar a excelência do serviço da PM no estado do Rio de Janeiro”, disse o secretário da Polícia Militar do Rio de Janeiro, coronel Luiz Henrique Marinho Pires, em cerimônia que contou com a presença do governador do Rio, Cláudio Castro (PL).

As câmeras começarão a gravar automaticamente ao serem retiradas de um totem que ficará nos batalhões, onde serão recarregadas – para retirá-las, o policial precisará usar reconhecimento facial. O aparelho poderá gravar por até 12 horas e transmitirá em tempo real para o Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), permitindo que o agente converse com os funcionários na unidade central. As imagens gravadas terão média resolução e ficarão armazenadas por 60 dias em uma nuvem; um modo de alta definição poderá ser acionado pelo policial ou por quem estiver acompanhando do CICC, e as imagens desse tipo ficarão guardadas por até um ano. Os órgãos de controle, como as corregedorias, a Defensoria e o Ministério Público, poderão pedir as imagens.

Na Câmara, Petrobras afirma que não repassa oscilações do câmbio ao consumidor

0

Em audiência pública na Câmara dos Deputados sobre o aumento dos preços dos combustíveis e seus cálculos, o representante da Petrobras disse aos deputados da Comissão de Finanças e Tributação que a estatal mantém o equilíbrio com os preços praticados no mercado internacional e que não repassa oscilações do câmbio ao consumidor. O gerente de Previsão de Preços de Mercado e Vendas da empresa, Diogo Gonçalves Bezerra, afirmou ainda que a empresa responde por apenas uma parcela do preço da bomba.

“Hoje, a gente tem posicionamento de buscar esse equilíbrio acompanhando essas variações tanto para cima quanto para baixo, mas evitando o repasse da volatilidade do mercado internacional, e ainda mais com esse efeito da taxa de câmbio, é extremamente bolacha. A Petrobras, no passado, já teve uma prática de ajustes diários, isso já evoluiu e, hoje, a gente tem um posicionamento de não repassar essa volatilidade”, afirmou Bezerra. Segundo o executivo da Petrobras, desde janeiro de 2020, parcela de preços da estatal nas refinarias aumentou R$ 1,42 enquanto o preço de revenda subiu R$ 2,74.

O deputado Luiz Miranda (Republicanos-DF), que solicitou a audiência, cobrou uma postura mais ativa da Agência Nacional do Petróleo (ANP) em relação à política de preços do setor. “Hoje, o mercado de energia tem lucro limitado a 15%. Uma das formas da gente regular, porque a ANP que aqui também participa [da audiência] não regula os preços, mas a Aneel regula os preços das distribuidoras de energia, que ela tenha uma lucratividade garantida de 15%, tanto para cima como para baixo. É um caso a se pensar, pegar o mercado de energia e transferir para um mercado que não deixa de ser de energia, está dentro do mesmo ministério, diga-se de passagem. Tratar a forma que é feita hoje no mercado de energia passar para os combustíveis. Aqui é uma ideia de alguém que não entendeu nada sobre como uma empresa que teve uma lucratividade tão alta e continua dizendo que o problema não é dentro da Petrobras”, disse. Um representante da ANP que participou da audiência esclareceu aos parlamentares que uma das responsabilidades da agência é a proteção do consumidor, mas sem interferir nos preços.

Nova temporada de ‘Stranger Things’ se torna maior estreia da Netflix

0

O primeiro volume da quarta temporada de “Stranger Things” foi exibido por 287 milhões de horas em seu final de semana de estreia, no último dia 23 de maio, uma cifra que a Netflix divulgou nesta terça-feira, 31, como a melhor estreia da história da plataforma. A tão esperada nova temporada quebrou um recorde mundial que pertencia até então ao sucesso espanhol “La Casa de Papel“, que com a estreia de sua quinta temporada em 2021 somou 201 milhões de horas vistas em seu primeiro fim de semana de exibição. No terceiro degrau das melhores estreias da história da Netflix está a segunda temporada de “Bridgerton”, com 193 horas vistas em março deste ano. A Netflix tem o hábito de publicar seus dados de audiência de maneiras não convencionais. Ao invés de contar o número de espectadores de um programa, como a maioria das redes de televisão, a plataforma mede o total de horas que os títulos em sua plataforma são reproduzidos.

Dessa forma, visa mensurar o desempenho de seus programas de forma mais realista, pois caso contrário também seriam contabilizados os usuários que iniciam a reprodução de uma série, mas param após alguns minutos. Independentemente do sistema de medição, os indicadores confirmam que a quarta temporada de “Stranger Things” está varrendo o mundo: foi a série mais assistida em 83 países durante esse fim de semana e as temporadas anteriores somaram mais de 80 milhões de horas de exibição. O próximo teste decisivo para a série virá quando se passarem 28 dias desde sua estreia, limite que a Netflix estabelece para determinar o desempenho de seus títulos em médio prazo e indicador no qual a sul-coreana “Round 6” continua sendo seu maior sucesso com 1,6 bilhão de horas vistas.

Preço do ‘prato feito’ tem variação de 130% em São Paulo

0

O preço do prato feito, tradição para milhões de pessoas que precisam almoçar diariamente fora de casa, sente os efeitos da inflação e tem variação de 130% em São Paulo. A Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste) visitou 100 estabelecimentos em todas as regiões da capital paulista para conferir o valor do PF, comercial, executivo, aquela refeição que leva arroz, feijão, uma proteína, salada e ainda pode ter ovo ou batatas fritas. O PF mais caro saiu por R$ 23,90 e o mais barato R$ 13,90.

A especialista da Proteste Mariana Rinaldi ressalta que o centro de São Paulo abriga a maior faixa de valores cobrados pelo PF na cidade. “Isso indica que, com o preço do prato mais caro, é possível comprar até duas unidades e meia do prato mais barato. A pesquisa evidenciou ainda que, na região sul, foi encontrado o maior preço médio do prato feito. Se o objetivo do consumidor for economizar, nós sempre indicamos a pesquisa de preços, independente da região onde ele esteja”, explica.

Mariana Rinaldi reforça que, na hora da economia, o conselho é não beber nada durante a refeição. “Recomendamos também o uso de programas de fidelidade e evitar compras por impulso, compras de itens adicionais no almoço, como bebidas e sobremesas”. A diferença de R$ 10 em um mês garantiria uma economia de R$ 220. Ao ano, a economia seria de R$ 2.420. Essa economia pode ser obtida, inclusive, ao trocar a carne bovina por frango na hora de escolher o PF.