Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes
Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes

A fimose é muito comum na infância, o que é um problema e, na maioria dos casos, a intervenção cirúrgica não é necessariamente obrigatória. No entanto, o Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes diz que muitos pais ficam apreensivos e, por conta disso, alguns meninos terão indicações e necessitarão de cirurgia para tratar esse problema.

O pênis é recoberto por uma pele chamada prepúcio. Em muitos casos, o prepúcio impede que a glande, que é a cabeça do pênis, seja exposta, devido ao excesso de pele que cobre a região. Praticamente todos os meninos nascem com a condição, porém, na maioria deles, a fimose desaparece com o tempo. Quando o problema persiste, causa sintomas desagradáveis, como dor e dificuldade para urinar, exigindo tratamento, que pode incluir cirurgia.

Basicamente, existem dois tipos de fimose: fisiológica e patológica.

  • Fimose fisiológica: Derivado de aderências congênitas do prepúcio. Estima-se que menos de 5% dos recém-nascidos apresentam o prepúcio totalmente retrátil ao nascer. O Dr. Marco Antonio Fortes explica que na maioria dos casos, a fimose fisiológica (ou primária) cederá espontaneamente com o crescimento, até os 5 anos de idade, principalmente devido ao aparecimento de ereções intermitentes e ao acúmulo gradual de esmegma no nível do sulco coronário.
  • Fimose patológica: É causado por lesão inflamatória ou traumática do prepúcio, que causa a formação de tecido cicatricial (anel de contração fibrótico). Entidades como balanopostite, trauma oral ou balanite xerótica obliterans (BXO) são as causas mais comuns de fimose patológica. A fimose secundária ao BXO é mais comum em adultos, enquanto a fimose por inflamação ou trauma é mais comum em jovens.

Um dos sintomas mais comuns é a incapacidade de expor totalmente a glande, o que limita a qualidade da higiene pessoal. Algumas crianças podem ter dificuldade para urinar ou no chamado balão urinário (o balão que se forma na ponta do pênis quando a criança começa a urinar). Os sintomas mais comuns são a dor quando o pênis se retrai ou dor durante a ereção, assaduras e cicatrizes, inchaço, sangramento e secreção com mau cheiro. O Dr. Marco Antonio Fortes comenta que no futuro, a relação sexual pode ser afetada pela presença de dor ou problemas relacionados à exposição total da glande. No entanto, não há relação direta entre fimose, disfunção erétil (incapacidade de obter uma ereção) e fertilidade masculina (a criança sendo criada).

Em caso de complicações, a cirurgia de fimose ou postectomia é realizada por um urologista, com anestesia local e sedação. Consiste na remoção de parte do prepúcio, incluindo a área onde existe o estreitamento e reconstrução da pele do pênis, agora mantendo a glande exposta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui